Tuesday, September 28, 2010

A fada que virou...


O pêndulo continua a rasgar o ar.

Os olhos fechados para melhor se sentir o ardor.

Pedes o teu espaço e perdes-te no mesmo.

Continuas... pois não podes parar.

Perdoas e pedes perdão e esqueceste que...
nada há a perdoar.

Pilar que se ergue por entre a névoa que se cobre os teus pés.

As sombras bem que gritam mas não se ouvem.
Perdem-se por entre as fundações de sentimentos
que a qualquer momento podem colapsar em si mesmos.

Ahhhh, a doce arte da mensagem se perder no meio de superficialidades
que enchem o dia a dia.

Até olhas e pensas,
que tu e tu só podes mudar o mundo,
levar todo ele às tuas costas,
puxando todos atrás de ti.
E...

E o sentido de tudo isto é facilmente questionável,
tal como o rapazinho que passa os dias sentados
na sua bela fabrica de produzir...
vocês percebem...
ao menos podem explicar?

Ah, pois é...
Esqueci-me...
dá muito trabalho
e trabalho é o que não se quer...
cansa...

Que taciturno,
Que coisa chata, dizes...
Como que se o que dizes se escrevesse,
já há muito o diziam.

Poderia até ser uma coisa alegre e divertida,
Com árvores,
florestas,
passarinhos,
lagos e cascatas,
animaizinhos patuscos,
florinhas,
fadas,
e unicórnios.
Mas de fada só não tem mesmo a palavra em si,
onde o primeiro a
deve ser cirurgicamente substituída por um o.
e é o que isto é.
Sem dúvida que é.

No comments: